Pular para o conteúdo principal

Porque nunca precisei bater na minha filha

Esses dias surgiu uma discussão a respeito de agressões... comecei a refletir como era dentro de casa e acabei por me dar conta que nunca precisei bater na Lara (uma única vez para falar a verdade, mas ao final explico o por quê também não precisaria). Não é porque ela é uma criança super boazinha e que não apronta, nem porque não chora ou faz birra. Mas porque existe algo dentro de casa muito forte chamado DIÁLOGO. Ela sempre é informada de onde estamos indo, o que vamos fazer, porque tem que usar aquelas roupas, TUDO. Sem execeção. Tudo conversamos. E se por ventura, algo acontece fora do planejado, nós conversamos o porque daquilo estar acontecendo, explicamos, SEMPPRE olhando NOS OLHOS. 
Se por acaso a frustração ainda é grande, vem um abraço, ela se sente compreendida. não precisa fazer birras, não precisa brigar, não precisa chorar. E mesmo que aconteça, duram pouco, porque sempre estamos lá pra ajudar ela a entender o que está acontecendo. E ela entende. QUALQUER CRIANÇA entende. Experimente.

Depois de refletir porque funciona aqui, fiquei lembrando de muitas frases que estou acostumada a ouvir: a criança só está chamando a atenção. 
Fico pensando: gente, se vocês sabem que a criança está chamando a atençao, porque SIMPLESMENTE NÃO DÃO ATENÇÃO??!!

Dar atenção NÃO É FAZER O QUE ELA QUER, nem o que ela está pleiteando com o choro ou com a birra; dar atenção é SIMPLESMENTE DAR ATENÇÃO. Olhar para ela, deixar ela perceber que está sendo notada, pedir pra que ela explique o porque do choro, e você explica de volta o porque não precisa chorar. 

Não cedam, digam não. Mas façam isso por amor. Façam isso dizendo porque não. 

Quando estamos frustrados e alguém nos dá atenção, não precisamos manifestar raiva, não precisamos "chamar a atenção". 

DIÁLOGO

É importante ser sempre a palavra chave do relacionamento de qualquer ser humano. Entre pais e filhos não é diferente. Eles fazem parte da casa. Eles não precisam ter tudo o que querem. Nem devem. Mas eles precisam se sentir no meio de vocês. Sentir que as pessoas se importam com a gente é quando percebemos que falamos/choramos/rimos e somos percebidos.

Ele vai ver aos poucos, que não precisa chorar, que apenas precisa conversar. Que mesmo que com a conversa venha um não, ela vai saber o porquê do não.

Conversem! Sobre tudo tudo a todo tempo. Desde a gestação. Crianças entendem, sim!



PS: Sobre a única vez que bati nela:
Ela estava com aquelas incansáveis birras que "toda criança faz" de jogar as coisas no chão para "chamar a atenção" e eu não estava em meus melhores dias, estava estressada, atrasada para escola dela e meu trabalho, e ela lá jogando as coisas no chão. Fiz ela pegar, apenas mandei que ela pegasse; ela não pegou, e isso se repetiu por várias vezes esgotando minha paciência que costuma ser grande, porém naquele dia estava bem pequena. Ela não fez, e então eu dei um tapa nela. Ela ficou ali chorando e eu fiquei ainda mais irritada do que estava.
Agora, vamos analisar a situação: em algum momento eu abaixei na altura dela e expliquei porque ela tinha que pegar as coisas? Eu ajudei ela a entender porque tinha que arrumar e não podia, nem precisava jogar as coisas no chão?
Não, em nenhum momento eu fiz isso. Eu estava cansada e queria que ela ficasse como robozinho ali, acontece que ela também estava sensível (provavelmente porque estava sentindo falta dos meus carinhos) e fez algo para chamar a atenção, e eu, mesmo sabendo disso não dei atenção a ela.
Tudo isso teria sido evitado se eu tivesse conversado, mais uma vez: DIÁLOGO! Tanto eu quanto ela teríamos chegado a um consenso, e mesmo que ela não guardasse, ela saberia o porque foi "punida" e provavelmente não seria com um tapa, mas com algo verbal, uma retirada de brinquedos, ou até mesmo a minha expressão de brava. Para ela seria suficiente como algo ruim. Mamãe nunca fica brava. 
Chego a conclusão, mais uma vez, que quem tem que estar bem para poder cuidar bem dos filhos, somos nós mesmas. Por isso enfatizo sempre: cuide de você! Se você não estiver bem, não adianta ler mil livros sobre a melhor forma de educar se no momento do seu cansaço deixar tudo falar mais alto. Tenha uma válvula de escape. É o que realmente faz diferença para que eu consiga ter paciência. E definitivamente SEMPRE mantenha o DIÁLOGO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque o Chá de calcinha (ou Chá de Desfralde) é uma bobagem

Babaquisse sem limites ☝
Chá de calcinha ou chá de desfralde é a nova moda de agora. (recebemos os prints que compõem o post e resolvemos escrever sobre isso.)



Estamos criando uma sociedade fast, tudo tem que ser feito rápido, tudo tem prazo de validade e tempo cronometrado. É o mais novo/velho discurso: Quanto mais cedo melhor. A geração Alpha. Sim queridos amigos, quem tem a minha idade já ouviu sobre a geração x,y e z. Mas estamos na geração Alpha, a dos mais inteligentes mas também dos maiores casos de TDAH. A geração da tecnologia, a geração youtube, a geração FAST, a geração que não sabe esperar, que não entende uma palma da mão estendida, mas entende muito bem um quadrado vermelho com um play branco no meio.
Nossos filhos nascidos depois de 2010, os alphas: Tem idade certa para bater palmas, para andar, para falar, para ser alfabetizado, idade para desfralde. Com certeza você já deve ter passado por uma dessas pressões e ter sentindo enorme frustração por não se encaixar no pa…

Era só pedir...

Esse fim de seamana me deparei com esses quadrinhos mega realistas. Foi traduzido do francês pela Bandeira Negra.
Post Original da Bandeira Negra.
Post Original da Emma em francês.




O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…